Posts com Tag ‘Windows’

Desde que o OpenOffice.org ou BR-Office.org foram lançados, nunca mudaram o conjunto de ícones para as barras de ferramentas e menus (pelo menos eu não sabia da opção de mudança até o lançamento da versão 2.3).

Mas se você não gostar do conjunto de ícones padrão do novo OpenOffice.org 2.4, pode mudar através das configurações. É fácil, siga os passos:

  1. Abra qualquer um dos programas da suíte e vá até o menu Ferramentas\Opções;
  2. Na janela de Opções, na árvore de opções à esquerda, ramo OpenOffice.org (BrOffice.org pra quem usa o BrOffice.org), clique em Exibir;
  3. No painel da direita, sob o título “Interface do usuário”, escolha o conjunto de ícones que desejar na caixa de combinação “Tamanho e estilo do ícone”;
  4. Clique no botão OK da janela.

Pronto. O conjunto de ícones foi alterado. Mas as opções atuais não parecem tão interessantes.

Felizmente, o time de desenvolvimento do OpenOffice.org vem trabalhando em um novo conjunto de ícones chamado Galaxy e comentado no fórum de discussão deles. Veja:

Galaxy Icon Set

Porém, sua utilização está prevista para o novo OpenOffice.org 3.0, mas o blog OpenOffice.org Ninja deu a dica e eu resolvi compartilhar com vocês.

Para instalar este novo conjunto de ícones em seu OpenOffice.org ou BR-Office.org 2.3 ou 2.4 clique aqui para baixar o arquivo images.zip, que dá nome ao conjunto de ícones padrão e siga os passos descritos abaixo para deixar a “cara” da sua suíte de escritórios mais “bonitinha”:

  1. Abra o Windows Explorer e navegue até a pasta onde está instalado o seu OpenOffice.org e localize a pasta share\config.
    Geralmente a pasta de instalação fica em C:\Arquivos de Programas\OpenOffice.org 2.x\
  2. Dentro da pasta config há um arquivo chamado images.zip. Copie-o para um local seguro ou troque o nome dele para images.zip.bkp, por exemplo;
  3. Copie o novo arquivo images.zip que você baixou no link acima, para dentro da pasta config;
  4. Abra qualquer programa da suíte. Pronto. O novo conjunto de ícones está instalado.

Detalhe: Esta dica vale para quem usa o OpenOffice.org no Windows e funcionou muito bem. Não testei no meu Ubuntu Linux ainda.

ISENÇÃO DE RESPONSABILIDADE:
INSTALE OS NOVOS ÍCONES POR SUA PRÓPRIA CONTA E RISCO.
Se acontecer algum problema com seu Sistema Operacional Windows ou com seu OpenOffice.org, não me responsabilizo.

Um abraço pessoal. Até a próxima.

Dizem os grandes nomes da informática que o Sistema Operacional Linux é um dos mais robustos e estáveis que existem.
Pois bem, no mês passado resolvi montar um pequeno servidor-de-firewall para gerenciar uma pequena rede em meu Home-Office. Saquei de um modesto computador AMD K6 de 450 MHz, 64 MB de memória RAM e HD com 20 GB. O Sistema Operacional escolhido foi o Debian Etch.

Reuni alguns artigos de exemplos de scripts de firewall usando o famoso iptables e fiz uma junção que funcionou muito bem, até eu resolver comprar um pequeno Switch e rotear meu modem ADSL para reduzir o custo com a bendita energia elétrica.

Não sou um expert em Linux, mas os artigos que li e as cabeçadas que dei fizeram com que aprendesse o suficiente para colocar um pequeno servidor em produção. E como eu disse no início deste post que o Linux é estável, resolvi capturar a tela do meu pequeno servidor, o qual acessava por SSH direto de meu desktop rodando Windows. Sim, caro leitor, eu utilizo Windows na maior parte do tempo para trabalhar. Quem sabe no futuro as coisas melhorem e eu resolva abandonar a Microsoft de vez. Mas vejo que será difícil. Bem, sem mais delongas, abaixo está a tela do servidor minutos antes de ser desativado:

Uptime Servidor Linux

Pois bem foram 32 dias online e sem uso de no-break! Não acredita nessa façanha? De início, nem eu acreditei. Perto de servidores web e outros servidores empresariais dedicados, que já passaram mais de 2 anos ligados e sem reiniciar, minha experiência é pequena, mas o que mais me chamou a atenção foi a qualidade da energia elétrica distribuída até minha residência! E durante estes dias, dá-lhe tempo ruim, com pancadas de chuva memoráveis e trovoadas idem, além do calor infernal e sem contar outros fatores. Pelo que percebi, não houve grandes oscilações.

Quero deixar aqui o meu agradecimento à CPFL, a concessionária de energia elétrica que cuida do setor onde resido. Estão de parabéns. Nenhuma queda em todos esses dias.

Pois é caro leitor, quando pensar em montar um servidor dedicado, não tenha dúvida: opte pelo Linux e seja feliz como eu fui. Só lamento o abandono do uso contínuo do pequeno servidor por causa do gasto com a eletricidade. Agora com o switch serão míseros 3,37W contra 250W do computador, que de hoje em diante será reutilizado para pequenos testes com servidores de Bancos de Dados.

Pra que complicar se podemos simplificar?

Mono e .NET

Créditos da imagem: Grupo Mono Project, no Facebook

Ser um blogueiro cristão não significa que necessariamente se deva ser um fanático religioso que só ouve salmos e leia a Bíblia a todo instante.
Assim como muitos, eu sou um amante da música e diga-se de passagem, de uma boa música.

Há tempos atrás, escrevi um post sobre o Listen, um player muito bom para o Linux. Mas nas minhas andanças pela web, acabei parando no blog Padoca Virtual, que postou um artigo sobre mais um player multifunção: o Songbird.

Com a aparência inicial do famoso iTunes, da poderosa Apple Computer, e capitaneado pela Mozilla Foundation, o Songbird veio para arrebentar: Só para se ter uma idéia, ele está disponível para Windows XP e Vista, nativamente para Fedora e Ubuntu Linux e MacOS X. E, atualmente na versão 0.4 já desponta com grande vantagem sobre os concorrentes.

Songbird

Suas funções vão além de um player de música convencional. Ele toca praticamente todos os formatos de áudio suportados, vídeos, permite que você organize em playlists aquela bagunça de arquivos em mp3 espalhada pelo seu HD, monta uma biblioteca de todos eles e de quebra ainda deixa você fazer downloads de músicas hospedadas em “Audio Blogs” usando o navegador web embutido, baseado no excelente Mozilla Firefox. Tem suporte a “peles”, chamados Feathers, que permitem a você personalizar a aparência do “pássaro cantor”. E, assim como o Firefox, já existem diversos Add-Ons (ou extensões) para você deixar o Songbird do seu jeito. Inclusive o AlbumApplet, um add-on que monta uma lista de capas de seus CDs no estilo do CoverFlow do iTunes.

A única queixa que tenho dele é que ainda não está disponível um equalizador gráfico, o que deixa o som um pouco feio, mas mesmo assim, com uma boa qualidade. E para amantes da música, como eu, ouvir sua música predileta com aquele efeito “flat” é terrível. Mas espero para breve, uma atualização com esta função que é indispensável.

Curioso sobre o Songbird? Sinta-se à vontade para mexer no ninho da “ave”.
E se você curte design ou gosta de programar, junte-se ao time de desenvolvedores e monte um Feather ou crie um Add-On que ainda não vimos em outro player. Que tal? A equipe de desenvolvimento agradece.

iTunes, Windows Media Player, Listen, AmaroK? Nunca mais!
Agora meu player predileto é o Songbird!