Divórcio. Afinal de contas: pode ou não pode?

Publicado: 23/03/2007 em Alfinetadas, Pessoal

A praga

“É bom atentar para o que o papa diz. Porta-voz de Deus na Terra, ele só pensa pensamentos divinos. Nós, homens tolos, gastamos o tempo pensando sobre coisas sem importância tais como o efeito estufa e a possibilidade do fim do mundo. O papa vai direto ao que é essencial: “O segundo casamento é uma praga!”
Está certo. O casamento não pertence à ordem abençoada do paraíso. No paraíso não havia casamento. Na Bíblia não há indicação de que as relações amorosas entre Adão e Eva tenham sido precedidas pelo cerimonial a que hoje se dá o nome de casamento: o
Criador, celebrante, Adão e Eva nus, de pé, diante de uma assembléia de animais, tudo terminando com as palavras sacramentais: “E eu, Jeová, vos declaro marido e mulher. Aquilo que eu ajuntei os homens não podem separar…”
Os casamentos, o primeiro, o segundo, o terceiro, pertencem à ordem maldita, caída, praguejada, pós-paraíso. Nessa ordem não se pode confiar no amor. Por isso se inventou o casamento, esse contrato de prestação de serviços entre marido e mulher, testemunhado por padrinhos, cuja função é, no caso de algum dos cônjuges não cumprir o contrato, obrigá-lo a cumpri-lo.

Foi um padre que me ensinou isso. Ele celebrava o casamento. E foi isso que ele disse aos noivos: “O que vos une não é o amor. O que vos une é o contrato”. Aprendi então que o casamento não é uma celebração do amor. É o estabelecimento de direitos e deveres. Até as relações sexuais são obrigações a ser cumpridas.
Agora imaginem um homem e uma mulher que muito se amam: são ternos, amigos, fazem amor, geram filhos. Mas, segundo a igreja, estão em estado de pecado: falta ao relacionamento o selo eclesiástico legitimador. Ele, divorciado da antiga esposa, não pode se casar de novo porque a igreja proíbe a praga do segundo casamento. Aí os dois, já no fim da vida, são obrigados a se separar para participar da eucaristia: cada um
para um lado, adeus aos gestos de ternura… Agora está tudo nos conformes. Porque Deus não enxerga o amor. Ele só vê o selo eclesial.
O papa está certo. O segundo casamento é uma praga. Eu, como já disse, acho que todos são uma praga, por não ser da ordem paradisíaca, mas da maldição. O símbolo dessa maldição está na palavra “conjugal”: do latim, “com”= junto e “jugus”= canga. Canga, aquela peça pesada de madeira que une dois bois. Eles não querem estar juntos. Mas a canga os obriga, sob pena do ferrão…

Por que o segundo casamento é uma praga? Porque, para havê-lo, é preciso que o primeiro seja anulado pelo divórcio. Mas, se a igreja admitir a anulação do primeiro casamento, terá de admitir também que o sacramento que o realizou não é aquilo que ela afirma ser: um ato realizado pelo próprio Deus. Permitir o divórcio equivale a dizer: o sacramento é uma balela. Donde, a igreja é uma balela… Com o divórcio ela seria rebaixada do seu lugar infalível e passaria a ser apenas uma instituição falível entre outras. A igreja não admite o divórcio não é por amor à família. É para manter-se divina…
A igreja, sábia, tratou de livrar seus funcionários da maldição do amor. Proibiu-os de se casarem. Livres da maldição do casamento, os sacerdotes têm a suprema felicidade de noites de solidão, sem conversas, sem abraços e nem beijos. Estão livres da praga…”

Rubem Alves
Teólogo, Filósofo, Psicanalista, Escritor
Artigo publicado no jornal Folha de S. Paulo, dia 20/03/2007, página C2


Ô meu Santo Deus! Tanto assunto importante para a Igreja cuidar e lá vem o “Santo Padre” soltar uma pérola dessas.
Não é por nada não. Sou religioso, cristão de origem Pentecostal, dos idos de 1900-e-tarará e também ouço, às vezes, cada uma que é de arrepiar os cabelos. Mas, Sua Santidade poderia ter se saído melhor se tivesse ficado calado. Mexer com um assunto desses é delicadíssimo. Chamar o segundo ou quem sabé até o terceiro casamento de praga, é subestimar a importância do casamento para a constituição de uma família, coisa que a igreja tem se esforçado (sic!) para manter nos trilhos. Na minha humilde opinião, o reflexo do que vemos hoje em dia; pais separados, filhos rebeldes, valores morais e cívicos corrompidos é em parte culpa de nossos líderes religiosos, que desdenharam o verdadeiro sentido do amor baseando-se em afirmações infundadas. Acredito que, para emendar o “rasgo” de inúmeras separações ao longo de décadas precisaremos de campanhas e mais campanhas para a conscientização de nossos jovens (e por que não os mais velhos?) de que o casamento, seja o primeiro ou o segundo, não é lá um bicho-de-sete-cabeças. Outra coisa que Sua Santidade se esqueceu foi do trecho escrito na Bíblia, pelo apóstolo Paulo, a Timóteo, sobre seus sacerdotes ou presbíteros: “Convém, pois, que o bispo seja irrepreensível, marido de uma mulher, vigilante, sóbrio, honesto, hospitaleiro, apto para ensinar;” (1 Tm 3:2). Como pode ele dizer que o casamento é uma praga e como alguém sem preparo dentro de uma casa pode pregar sobre a família? Acho que ele anda trabalhando demais. E seus “funcionários” aqui no Brasil, dizem que a tradução de suas palavras foi equivocada. É só dar uma olhada nessa notícia. Façam me o favor…
Mudando um pouco de assunto: Caros católicos praticantes, preparem-se para mais um capítulo monótono na história de sua Igreja: a imposição por Bento XVI para que os padres voltem a rezar as missas em latim. Haja paciência. Só vai permanecer dentro da igreja quem realmente entender a língua mãe, caso contrário vai acontecer que nem revoada de pássaros num milharal após o estouro de alguns rojões. Ao invés de ajuntar, Bento XVI parece estar querendo é jogar fora.

Anúncios
comentários
  1. usucapiao disse:

    Esse é o pensamento evoluído de uma instituição moderna, a mesma que antigamente queimava seres humanos vivos.

  2. bebeto_maya disse:

    Por essas e outras que não leio a Folha de São Paulo. São todos uns pseudo-intelectuais iluminados. Nem pra enrolar peixe a Folha serve, porque pode apodrecer o produto.

  3. bebeto_maya disse:

    Igrejas não têm de ser “instituições modernas”. Igrejas presevam tradições, mesmo porque muito do modernismo secular, matou gente a rodo também.

  4. como no são mateus diz que no caso de infilidade pode divorciar, e quando divorcia, não pode casar com a repudiada, agoara o que ta contecendo é que a pessoa com este problema que o Cristo disse, a pessoa não pode casar de novo se o Cristo disse que pode casar, mais não pode casar a divorcida, agora como faças esses pregações nas pessoas para perturbar ou escandalizar a pessoa inocente.
    Se o senhor Jesus disse como repido de novo, que pode casar, mais não pode casar a repudiada, vc também cometeu adulterio.

  5. Maria disse:

    Eu concordo plenamente com o papa. O mundo moderno em cima do sofrimento da família vê o prazer antes da responsabilidade. É que onde a família se desfaz aumenta órfãos de pais vivos, porque muitos país esquecem que tem filhos só tem olhos para seu companheiro ou sua companheira. Resumindo tudo muda pois a maioria dos filhos ficam só com um dos pais não tem o apoio dos dois diariamente. enfim segundo. terceiro casamentos não deveriam existir pois na bíblia isto se chama adultério.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s